#PerfilEmpreendedor – Laur: da Estônia para o mundo

#PerfilEmpreendedor – Laur: da Estônia para o mundo

Por Isabela Scarioli

Você conhece alguém da Estônia? A gente conheceu. Esta semana, Laur, o loiro de 29 anos, mas que diz que na cabeça tem 16, visitou o SEED para conhecer um pouco melhor o ecossistema de empreendedorismo e inovação de Minas Gerais. 

Parece uma pessoa leve. Quer causar impacto positivo e, para isso, nos contou  que empreende continuamente . “Por isso que tem internet, né?”, diz bem humorado sobre sua forma de aprender.

Publicamos abaixo a conversa na íntegra (feita em português, diga-se de passagem). Para quem quer se inspirar, é um prato cheio.

 

SEED: Conta um pouco para nós como é sua trajetória empreendedora?

LAUR: Cresci em uma fazenda e desde criança era apaixonado por carros, meu sonho era ser engenheiro mecânico. Aos 14 anos aprendi design, a soldar, a fazer cálculos e a criar meu próprio veículo. Fiz um ano de intercâmbio no Brasil aos 16 anos, morei em Petrópolis e Cabo Frio.

Fui fazer faculdade de engenharia mecânica e elétrica na universidade de Bath, na Inglaterra, e comecei a trabalhar como engenheiro e motorista de teste. Na prática, aprendi que não gostava muito de carros. Pedi demissão, tirei quatro meses de férias e fiz um mochilão, o primeiro da minha vida, aos 23 anos. Fui para Califórnia, Costa Rica, Panamá, Brasil. Foi muito legal.

Voltei para a Universidade e fiquei curioso sobre o mercado financeiro. Comecei a estudar blockchain* e a fazer trade com Bitcoins* usando meu próprio dinheiro, que multipliquei várias vezes. Juntei este aprendizado com a neurociência e criei um cérebro artificial que opera nos mercados de criptomoedas. Também criei, com outras pessoas, uma startup que oferece o serviço de compra nos supermercados com celular, mas saí para me aprofundar no universo das finanças.

Terminei a universidade e voltei para a Estônia. Nessa época, a TransferWise* já existia e o líder de produto da empresa me convidou para trabalhar lá. Fui inicialmente gerente de produtos de compliance e logo depois passei a liderar a parte antifraude da empresa. A missão da Transferwise é criar um mundo financeiro sem fronteiras: grátis, instantâneo e conveniente. Lá eu entendi que estou interessado em fazer isso também: encontrar a melhor forma de resolver problemas, que gere menos desafios para os clientes.  

Saí da TransferWise em novembro do ano passado pois já tinha aprendido o que queria: como desenvolver uma organização e fazer um produto escalável. Lá tive contato com as melhores pessoas liderando e criando produtos, mas percebi que precisava do próximo desafio. Há coisas que me interessam mais neste momento. Um tema que me toca muito é a educação e a criação de um mundo sem fronteiras. Agora estou de férias, viajando há três meses e antes do Brasil passei por Honduras e México.  

 

S: O que você está fazendo por aqui?

L: Vim ao Brasil visitar minha família do intercâmbio e fazer knite surf. Quando percebi o que estava acontecendo no ecossistema de empreendedorismo e inovação, resolvi ficar mais uns meses para entender melhor. Visitei universidades, startups, aceleradoras e coworkings nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Campinas, Floripa e Belo Horizonte.

Não tinha nenhuma ideia dessa efervescência quando vim para cá, são as minhas férias! Mas agora quero me mudar. Comecei por Floripa a minha pesquisa, lá me conectei com pessoas e startups do país inteiro. Abri o meu calendário para qualquer um marcar uma hora comigo. Quero entender o nível de maturidade das startups no mercado brasileiro e ajudá-las com as forças que eu tenho, pensando na missão de cada uma. Já conversei com umas 40 startups no Brasil.

 

S: Por que o Brasil?

L: Por quê não o Brasil? Para mim o país tanto faz. Mas aqui é um lugar em que as pessoas normais têm muitos problemas e os empreendedores muitas oportunidades. Essa mentalidade e os ecossistemas crescendo é muito rico. Há muita gente vivendo vidas não muito boas. Isso tem que mudar! Posso e quero causar impacto positivo. Não ligo muito para dinheiro. Sou mais de desafios, e esse é um desafio legal, de mudar um país. A Estônia é muito minimalista, dá para votar online, fazer e pagar seus impostos em três minutos, abrir uma empresa em 18. No Brasil é tudo complicado. Quero mudar isso e quando penso no que tenho a oferecer, minhas habilidades são valiosas.

O Brasil está em um momento muito interessante do seu empreendedorismo. O primeiro ciclo está se fechando. Os pioneiros já venderam suas empresas, já tiveram sucesso e estão investindo nos que estão nascendo. Esse é um ponto muito importante. Todos podem ler o Lean Startup*, mas antes de pôr o que está no livro em prática é impossível saber como é a experiência de criar uma organização, liderar, fazer crescer. Isso é fundamental para ter conhecimento nessa área. E no Brasil quem teve êxito está atuando como mentor dos novos empreendedores. Uma coisa que o empreendedor brasileiro tem de especial é que aqui é muito difícil empreender, então ele sabe se virar, atravessar as paredes.

Viajando pelo Brasil agora, conhecendo esses ecossistemas, não tenho como não pensar se é uma bolha ou não, porque cresceu muito rápido. Na mentalidade das startups locais o produto é muito forte, mas outras pensam também em como levantar dinheiro. Isso tem que ser feito no tempo certo, sem cliente não tem startup e não precisa de dinheiro (rs). Uma coisa que brasileiro gosta de fazer e que não é parte do mundo de startups geralmente é vendas e marketing. O problema são as startups que pensam mais em como vender do que em como criar um produto realmente bom. O ecossistema brasileiro precisa entender melhor como cada negócio está melhorando a vida dos seus clientes, tornando-a mais fácil, barata e acessível.

 

S: O que você está fazendo agora?

L: Estou aprendendo novas tecnologias de inovação e brincando com algumas ideias e produtos que estou criando. Uma coisa em que venho pensando muito é em como criar um mundo sem fronteiras. Todos os governos oferecem serviços para as pessoas e empresas e a sociedade paga por estes serviços por meio de impostos. Cada dia fica mais fácil para pessoas e empresas se mudarem e isto está criando competição entre países.

Decidi não decidir nada até o fim do mês. Uma coisa que tenho concreta é que quero me mudar para o Brasil, mas o que vou fazer ainda não resolvi, tenho muitas opções. Várias startups querem trabalhar comigo e tenho pensado em fundar uma aceleradora para criar esse Brasil mais eficiente.

 

S: Como você veio parar no SEED?

L: Em Floripa um dos meus primeiros contatos foi com o André Rota, da Darwin. Ele fez a ponte com o Daniel do SEED. Ontem, fui ao Hub, conhecer os programas do Minas Digital e achei incrível isso ser feito pelo governo. Nos outros países isso é conduzido pela iniciativa privada. Achei muito forte, especialmente esses programas para educação e o SEED. Na verdade não conheço o SEED tão bem, mas o que vi do programa achei muito interessante.

 

S: Qual o seu recado para as pessoas que querem mudar o mundo, tirar ideias do papel?

L: Ideias são baratas, valem dois centavos por ideia. É preciso pessoas boas para realmente criar coisas boas, falhar rápido, seguir em frente e enxergar se o mundo que você está querendo criar funciona para as pessoas reais. Por isso, o SEED é bom, porque tem mentorias, tem pessoas que inspiram as outras.

 

WikiSEED

*Blockchain ou “protocolo de segurança” – tecnologia que visa a descentralização de dados como medida de segurança.

*Bitcoin – moeda digital do tipo criptomoeda descentralizada.

*TransferWise – startup que busca soluções em transferências bancárias para o exterior.

*Lean Startup – livro de Eric Ries que fala sobre o modelo de negócios das startups.

Storytelling: Como construir boas histórias?

Storytelling: Como construir boas histórias?

A arte de contar histórias não é algo novo ou inovador. Construir narrativas realmente boas, que emocionem, envolvam e conquistem a audiência é algo que vem de muita prática. Nem todo mundo está preparado para transmitir conhecimento que faça sentido de forma atraente e eficaz.

Desenvolver uma comunicação eficiente é essencial em uma era de excesso de informações, onde há grande oferta de conteúdos e disputa de audiência. Como conquistar essa atenção do seu público e ser lembrado por sua história? Considerando tudo isso, separamos algumas dicas para que você construa um bom Storytelling. Confira:

Tenha um objetivo claro

A maioria das fórmulas de argumento estão ultrapassadas e não causam mais impacto como antes. Por isso, você deve pensar em formas diferentes de impressionar o público, sempre transparecendo sua realidade na narrativa.

Essa técnica deve estar alinhada ao principal argumento da sua empresa, à razão pela qual sua startup existe. Falar da dor do mercado e sobre o motivo pelo qual você empreende, por exemplo, são bons tópicos para começar.

Foque no público

Quais tipos de conteúdos o seu público procura? Essa é a primeira pergunta que você deve responder para embasar a sua história. Essa criação também deve considerar para quem você está falando: clientes, investidores, possíveis parceiros ou uma audiência mista.

Por isso a importância de construir uma narrativa coerente, que dialogue com diversas pessoas em mídias e ambientes diferentes. Assim você conseguirá a atenção e o afeto de quem te escuta.

Siga passos para um bom Storytelling

Para construir uma boa narrativa e potencializar sua comunicação é necessário seguir alguns passos. Vamos a eles:

1 – Elabore uma história fabulosa

Use uma experiência que poucas pessoas vivenciaram, acontecimentos improváveis e que saiam da rotina. Lembre-se de que se nada de interessante acontece, a história não vale a pena.

2- Inclua um ensinamento vital

O Storytelling precisa transmitir valores para quem escuta, um propósito épico que faça sentido, contado de uma forma fantástica.

3 – Construa bons personagens

Para elaborar um bom personagem você pode usar arquétipos visando a identificação com seu público. A história em torno dele deve ser convincente, o que não implica, necessariamente, que ela deve ser realística. O fantástico é um ótimo recurso para desenvolver Storytelling.

4- Crie e resolva dramas

Conflitos baseados nos problemas do seu público também contribuem nesse processo de identificação. Mas além de criar é preciso resolver esses dramas ao longo da narrativa, criando um final que tenha propósito e que emocione sua audiência.

Utilize outros recursos e ferramentas

Um bom Storytelling não é feito apenas presencialmente e na oralidade. Recursos como fotos, vídeos e infográficos podem e devem ser usados para conseguir esse engajamento. Existem algumas ferramentas onde essa divulgação pode ser feito.

Um Storytelling é uma técnica de comunicação. Como vimos, ter de fato uma boa história para contar é essencial. Depois, é preciso elaborar uma narrativa que faça sentido, com conteúdo de qualidade, criando uma afetividade e identificação com seu público. Assim, não só sua história, como você, poderão ser lembrados pelo público.

Gostou? Quais outros conteúdos você quer ver por aqui? Conta pra gente nos comentários.

A arte imitando a vida: inspiração para empreendedores

A arte imitando a vida: inspiração para empreendedores

Confira nossa seleção de filmes para empreendedores. Conheça e aprenda com a trajetória de grandes nomes do mundo dos negócios.

Tatiana Adriano/Sectes

Começar ou recomeçar algum projeto é um desafio. Sendo assim, insegurança e medo são sentimentos plausíveis, desde que não atrapalhem ou inibam sua trajetória. Não tenha receio de arriscar. Acredite. Tire suas ideias do papel e transforme-as em realidade.

Inspire-se com nossa lista de filmes, todos escolhidos baseados nos ensinamentos transmitidos ao espectador. Pois, convenhamos, não há nada mais estimulante do que conhecer as histórias de personalidades de sucesso. Então, entre os milhares de compromissos diários, reserve um tempinho para relaxar, incentivar e acreditar nos seus sonhos. O caminho é árduo, porém muito satisfatório. Confira:

Piratas do Vale do Silício (1999)
Apple x Microsoft. Conheça os pontos de vista de Bill Gates e Steve Jobs, compreenda como os maiores empreendedores da tecnologia superaram os desafios para desenvolver suas empresas, sinônimos de sucesso.

Coco antes de Chanel (2008)
Narra a trajetória da estilista que revolucionou o mundo da moda, Coco Chanel. Para aqueles que pensam que seu maior ato de coragem foi vestir-se com roupas masculinas, enquanto todas as mulheres usavam peças desconfortáveis e extravagantes irão se surpreender com sua história e com os obstáculos vencidos para conseguir o que desejava: o sucesso mundial.

A Rede Social (2010)
A trama aborda vários aspectos que envolvem a criação de um negócio, inclusive as complicações que podem atingir a vida social, pessoal e profissional do empreendedor. Conheça a história de Mark Zuckerberg, criador do Facebook e o bilionário mais jovem da história.

Jobs (2013)
Jobs conta a trajetória de Steve Jobs. Conheça a história do jovem hippie que se tornou líder de uma das maiores e mais bem-sucedidas empresa de tecnologia do mundo.

Chef (2014)
O longa conta a história de Carl Casper, Chef do restaurante mais famoso de Los Angeles. Após ser demitido, encontra no recomeço a oportunidade que precisava para colocar sua criatividade e ideias em prática. Carl abre e apaixona-se por seu novo projeto: um trailer de comida.

Walt antes do Mickey (2014)
Qual empreendedor nunca se pegou admirando o império construído por Walt Disney? Engana-se aqueles que pensam que tudo foi alegria. O longa relata os primeiros anos da carreira do desenhista e os vários obstáculos por ele enfrentado antes de criar seu desenho mais famoso: o Mickey Mouse. Todas as vezes que pensou em desistir, Disney lembrava do conselho do pai (que vale para qualquer pessoa): “tudo o que vale a pena fazer deve ser bem feito”.

O Jogo da Imitação (2015)
A narrativa é baseada na história do criptoanalista inglês Alan Turing, considerado o pai da computação moderna. Na história, o matemático tem a missão de ajudar o governo britânico a decifrar os códigos utilizados na comunicação em submarinos, durante a Segunda Guerra Mundial. Turing até alcançar êxito em sua tarefa enfrenta vários desafios e descobre que mais do que inteligência é preciso trabalho em equipe para que consiga cessar o conflito.

A Teoria de Tudo (2015)
A obra é baseada na biografia do astrofísico Stephen Hawking. A narrativa aborda a trajetória do cientista na faculdade, as conquistas de sua carreira, além da descoberta e o início da debilitação causada por uma doença degenerativa. Sua determinação, genialidade e superação são capazes de emocionar e inspirar a todos.

Joy: o nome do sucesso (2015)
O longa relata a trajetória de Joy Mangano, dona de um bilionário império. Joy é responsável pela criação de um esfregão mais prático e seguro inventado para facilitar a limpeza doméstica. Além disso, o filme aborda os conflitos pessoais da inventora que alia o sonho do empreendedorismo com as responsabilidades da vida de uma mãe solteira.

Tatiana Adriano/Sectes