SEED Experience tem bate papo sobre investimentos e equity crowdfunding

SEED Experience tem bate papo sobre investimentos e equity crowdfunding

A terceira edição do SEED Experience, que aconteceu na noite desta terça-feira (10), foi um pouco diferente. Com um bate-papo no coworking do SEED MG, os participantes puderam realmente experienciar o funcionamento um dos maiores programas públicos de aceleração de startups da América Latina. ­

Depois de aprender a tirar a ideia do papel, o público desta edição veio conversar sobre os dilemas do empreendedor ao buscar investimentos. Qual o momento certo para procurar investidores? E diluir a participação em troca de ações? Devo ter um sócio investidor? Para responder essas e outras questões, o coordenador do Hub Minas Digital, Rodolfo Zhouri mediou a conversa com os empreendedores Brian Begnoche, sócio fundador da EqSeed, e Wilson Campanholi Jr, cofundador da startup Cotexo.

A EqSeed é a principal plataforma de investimento direto em startups e empresas em expansão no Brasil. Brian explicou como funciona a captação de recursos de investidores, que realiza uma operação conhecida como equity crowdfunding, reconhecida e aprovada no país pela Comissão de Valores Mobiliários através da Instrução CVM 588. De acordo com o economista americano, o critério de seleção para a EqSeed é alto. As startups passam por várias etapas e um processo grande de análise, para selecionarem as melhores oportunidades para os investidores.

De mais de mil startups analisadas em dois anos de plataforma, somente 11 foram aprovadas e receberam investimentos até agora. Três delas foram aceleradas pelo SEED MG na 3ª e 4ª rodada. A Me Passa Aí, site que reúne videoaulas que capacitam universitários a alcançar bom desempenho nas provas, captou R$250 mil no final de 2016. A Contraktor, startup de lawtech que busca agilizar a gestão de contratos, tornando-os digitais, captou R$ 450 mil em julho deste ano. E a Cotexo, marketplace de compra e venda de autopeças, realizou a última e maior captação da EqSeed. Através da plataforma, a startup captou R$ 600 mil na última terça, dia 10 de outubro.

Ter um modelo de negócios escalável, com capacidade de crescer rápido e se tornar uma empresa de grande porte de cinco a dez anos, são os principais requisitos para a seleção. De acordo com Brian, o trabalho realizado em Belo Horizonte, com o San Pedro Valley e aceleradoras como o SEED MG, torna propício o ambiente de inovação e a escolha de startups participantes do programa. “Participar do SEED faz com que a startup adquira conhecimentos para saber fazer ajustes e pivotar seu negócio quando necessário. Saber como o empreendedor lidou com todo o processo, inclusive falhas, é muito importante”, afirma.

Para desenvolver essas boas práticas, Wilson, empreendedor participante da 3ª rodada, contou para os participantes um pouco sobre sua jornada. “É preciso, primeiro, focar em algum produto que seja relevante para o mercado e depois pensar em procurar investimentos. Começamos pelo mercado automotivo, mas queremos crescer por verticais, construção, peças de avião, dentre outros”, garantiu o cofundador da Cotexo.

De acordo com Wilson, a entrada na EqSeed foi muito importante, mas é preciso que as startups se planejem a longo tempo. “Para conseguir isso, o ideal é fazer uma apresentação com projeção de faturamento e tese de crescimento para apresentar para os investidores”, indica. E Brian complementa “para escalar a startup precisa passar por várias rodadas de investimento. Fazer um planejamento de anos e rodadas, para ter uma ideia do valor que sua empresa terá daqui 6 ou 8 anos, é uma boa forma para saber qual o equity necessário para atingir esses resultados”.

Rodolfo, que trabalha no mercado há 10 anos e também é investidor, ressalta que o investimento em startups possui alto risco e que o modelo tradicional é muito diferente do praticado pela EqSeed, que tem maior segurança e é menos burocrático. Por isso, o diretor do Hub Minas Digital dá duas dicas para quem está começando: “o melhor investidor que você pode ter no início é um cliente” e “capte dinheiro quando você menos precisa, pois fará decisões mais acertadas”, conclui.

Rodolfo Zhouri, Wilson Campanholi Jr e Brian Begnoche conversam com os participantes no coworking do SEED

 

Ficou interessado no que acontece no SEED Experience? Fique ligado no nosso Facebook para saber quando será o próximo evento.

Startup Melhor Plano vence Seedstars World em Belo Horizonte

Startup Melhor Plano vence Seedstars World em Belo Horizonte

Considerada a startup mais promissora do ecossistema de Belo Horizonte pelo Seedstars World, a Melhor Plano venceu a etapa mineira da competição e agora segue para a final nacional, em São Paulo. O evento global, presente em mais de 80 países, aconteceu pela primeira vez na capital mineira e teve a participação de outras dez startups.

Os jurados Rafael Silva, da Unimed, Renata Petrovic, do Bradesco, Amanda Graciano da Biominas, Isabela Rugani da Venture Capital e Maria Noel da Seedstars assistiram aos pitches de cinco minutos de todas as startups, escolheram a Melhor Plano como a grande campeã da noite. Segundo e terceiro lugar ficaram com a Zippay e IndWise, respectivamente.

Acelerada pelo SEED MG nesta quarta rodada, a Melhor Plano é uma plataforma que compara planos de celular, banda larga, TV e telefone fixo e mostra qual operadora oferece a melhor oferta para o assinante. A solução já atraiu mais de 1,5 milhão de usuários para utilizar o serviço da empresa. Além disso, o programa conecta usuários com parceiros de venda, facilitando o processo de compra.

Para Pedro Israel, cofundador da Melhor Plano, a inscrição no evento serviu para perceber como os estrangeiros observam o nosso modelo de negócios. “A gente tem testado como a empresa é percebida do ponto de vista internacional. Esse foi o motivo de competir, e vencer foi uma alegria ainda maior”, comemora Pedro. É o segunda conquista da Melhor Plano em competições internacionais neste ano. A empresa também conquistou o segundo lugar no Startup Games, que aconteceu em setembro.

Organizadores e participantes do Seedstars Belo Horizonte

A gerente regional do Seedstars, Juliane Butty, que apresentou o evento, ressaltou o grande potencial empreendedor que Belo Horizonte possui. “Nós ficamos sabendo do San Pedro Valley e de BH, como a capital mais inovadora do Brasil. Por isso fizemos o evento na cidade, para conhecer e poder investir nas startups belo-horizontinas, mostrando para o mundo as oportunidades que existem aqui”, afirma.

Através da competição, a Seedstars tem o objetivo de impactar, promover e conectar startups de mercados emergentes com investidores. A vencedora da final nacional irá representar o Brasil na fase global, que acontece na Suíça em abril de 2018, podendo ganhar até 1 milhão de dólares em investimentos e prêmios. A organização também oferece um programa de aceleração de três meses com mentorias, parcerias e outros benefícios às startups selecionadas para o mundial.

Unimed-BH apresenta programa de inovação aberta para startups do SEED

Unimed-BH apresenta programa de inovação aberta para startups do SEED

Com o objetivo de conectar startups, tornando-as parceiras e fornecedoras, a Unimed-BH apresentou para os empreendedores do SEED o Link One, programa de inovação aberta no setor da saúde realizado em parceria com a INSEED Investimentos. Startups com soluções inovadoras que possuem relação com os eixos transformação digital e eficiência e sustentabilidade já podem se inscrever no programa, que também facilitará a captação de investimentos.

Essa primeira edição selecionará cinco startups já maduras, com produtos em fase avançada de desenvolvimento ou que já estão disponíveis no mercado. Diferente do imaginado, a seleção não é apenas para o segmento de saúde. Empresas com soluções voltadas para gestão de negócios, gestão de talentos, área jurídica e de tecnologia da informação são o foco do programa.

O supervisor de empreendedorismo na Unimed-BH, Rafael Silva, ressalta que o propósito do Link One não é ser uma aceleradora de startups, mas sim proporcionar parcerias e investimentos para aquelas que já estão participando de algum programa. “Vir ao SEED MG sempre traz expectativas de ver coisas novas, startups de diferentes áreas, além das relacionadas à saúde, que já chegam para nós de forma orgânica. Lançamos esse programa justamente para complementar quem já está no processo de aceleração, gerando oportunidades para startups maduras”, afirma.

Mesmo com a necessidade de ter um CNPJ, startups estrangeiras do SEED, que demonstrem interesse no ecossistema de Belo Horizonte, também poderão participar. O programa oferecerá mentorias, estrutura de dados e conhecimento, interação com os colaboradores, encontros com especialistas e investidores, através da interação com a INSEED, além da possibilidade de se tornar parceira e fornecedora da Unimed-BH e de outras unidades da empresa.

O Link One começa em 6 de novembro e terá duração de 12 semanas. Startups interessadas deverão se inscrever no site do programa até o dia 11 de outubro.

SEED Experience conta (quase) tudo sobre como tirar uma ideia do papel

SEED Experience conta (quase) tudo sobre como tirar uma ideia do papel

O SEED Experience mais uma vez abriu as portas de um dos maiores programas públicos de aceleração de startups da América Latina para contar alguns segredos de empreendedorismo para os mineiros. A 2ª edição do evento, que aconteceu na noite desta sexta-feira (29) no Café 104, contou (quase) tudo que uma pessoa precisa saber para tirar uma ideia do papel e não teve oportunidade.

A noite foi de muitas perguntas. Aliás, perguntas e respostas. A intenção foi dar voz a questionamentos de quem quer ser empreendedor, seja daqueles que têm uma ideia que nem está no papel, seja de quem já está com um negócio. Comandada pelo empreendedor e agente de aceleração Artur Jeber, a palestra, pautada por questionamentos, levou os participantes a reflexões. Em seguida, um bate papo com os empreendedores acelerados pelo SEED, Roberto Mendes e Filipe Farias, CEOs das startups Horta Mágica e Gamelyst, respectivamente.

Ninguém melhor que quem vive a prática para esclarecer as dúvidas. Os três empreendedores, além de contar suas experiências, trocaram ideias e deram sugestões sobre os temas levantados. Qual o momento para pivotar? Como ser crítico diante do seu projeto que você acha ser o melhor mundo?

Os CEOs Filipe Farias (Gamelyst), Roberto Mendes (Horta Mágica), a participante Luiza Rodrigues e o agente de aceleração do SEED, Artur Jeber conversam com o público

A relações públicas, Luiza Rodrigues, que atualmente comanda a comunicação de uma startup, além de gostar dos eventos do SEED, que, segundo ela, fomenta uma cultura empreendedora que todos deveriam seguir, veio para absorver todas as dicas repassadas. “Hoje, com o atual posto que tenho, é importante participar destes eventos. Já estive em outros encontros, mas hoje venho com um novo olhar. Esta ideia de debate é ótima, uma vez que a minha dúvida pode ser a mesma que de outro participante. É uma troca de informação mesmo, importantíssimo para quem quer abrir uma empresa ou uma startup, além de fomentar este interesse em ter algo próprio”.

Ficou interessado no que acontece no SEED Experience? Fique ligado em nossas redes, onde informaremos os outros próximos cinco encontros.

SEED, Rede Mineira de Tecnologia Assistiva e Prefeitura de BH promovem debate para inclusão da pessoa com deficiência

SEED, Rede Mineira de Tecnologia Assistiva e Prefeitura de BH promovem debate para inclusão da pessoa com deficiência

Cerca de 30% da população de Belo Horizonte possui alguma deficiência, segundo levantamento do IBGE (2010). Em Minas Gerais, este público chega a 4.727 milhões. Apesar de ser um número expressivo, essa parcela enfrenta, diariamente, inúmeros obstáculos para viver dignamente. Mas o que acontece no nosso meio para facilitar a vida dessas pessoas? Diante deste questionamento, a Rede Mineira de Tecnologia Assistiva, em parceria com o SEED e a Prefeitura de Belo Horizonte, promove, nesta terça-feira (26), o Encontro Mineiro de Tecnologia Assistiva na capital mineira.

A iniciativa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado de Minas Gerais busca disseminar o conhecimento de tecnologia assistiva e a inclusão de pessoas com deficiência. De acordo com a coordenadora da Rede Mineira de Tecnologia Assistiva, Kátia Ferraz, este tipo de encontro é um meio de unir esforços para ações concretas e objetivas para diminuir a aflição desta sociedade.

“A Rede Mineira de Tecnologia Assistiva trabalha na realização de encontros e fóruns de inovação em Tecnologia Assistiva, assim como estimula a disseminação do conhecimento, apoiando o surgimento de startups aceleradas pelo nosso mais importante parceiro, que é o SEED”, explica Kátia, garantindo a importância de espaços para provocar o debate sobre o tema.

Kátia Ferraz, coordenadora da Rede Mineira de Tecnologia Assistiva

Uma das startups citadas foi a Geraes Tecnologia Assistiva, que busca resolver problema das pessoas com deficiência física e motora que não conseguem usar o computador, possuem dificuldade para se comunicarem ou serem incluídas na escola.

Assim como a Geraes Tecnologia Assistiva, que luta pela inclusão, o Encontro Mineiro de Tecnologia Assistiva busca potencializar os investimentos que tragam impacto social, promovam o desenvolvimento do Estado e a inclusão social das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Para que as pessoas utilizem recursos de tecnologia assistiva e se tornem cidadãos com capacidade contributiva, o evento discutiu sobre como promover a independência, qualidade de vida e inclusão social; como favorecer a comunicação, mobilidade e acesso de todos; para proporcionar maior controle de seu ambiente e potencializar habilidade de aprendizado e trabalho dessas pessoas.

Pelo segundo ano consecutivo, empreendedores do SEED se destacam no Startup Games

Pelo segundo ano consecutivo, empreendedores do SEED se destacam no Startup Games

Após passar por cidades como Londres, Santiago, Sydney, Singapura e Buenos Aires, foi a vez de Belo Horizonte sediar o Startup Games nos dias 16 e 17 de setembro. Pela primeira vez na capital mineira, a parceria entre o Consulado Britânico e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais (Sedectes) levou 149 investidores nacionais e estrangeiros, 6 super Angels e 73 startups de diversas regiões do Brasil e do mundo – Índia, Peru, Alemanha, Chile, Bolívia, Quênia, México, Holanda e Portugal –  para competir na Praça da Liberdade.

Na disputa, as startups recebem 100 ações virtuais e, cada investidor 1 milhão de libras virtuais. A meta de cada startup é vender o menor número de ações, de forma a aumentar o valor da empresa; já o objetivo dos investidores é comprar ações de baixo valor, mas com futuro promissor. A competição é monitorada por meio de um aplicativo exclusivamente desenvolvido pela empresa mineira IOasys, que possibilita que tanto investidores quanto empreendedores acompanhem a valuation – estimativa de quanto um empreendimento vale, determinando seu preço e o retorno de um investimento em suas ações.

Ao todo, mais de 700 milhões de pounds virtuais foram negociados, em 1.400 ofertas durante todo o jogo. A disputa foi bastante acirrada e o resultado definido nos últimos segundos da competição. No domingo, startups que nem estavam no ranking das 10 melhores conseguiram alcançar resultados impressionantes, entre elas a campeã: a Biomimetic Solutions, composta por cinco jovens empreendedoras. A spin-off acadêmica do Cefet-MG, que alcançou a valuation de 869 milhões de libras, é responsável por produzir matrizes tridimensionais para o crescimento de órgãos e tecidos em laboratórios.

Melhor Plano, startup acelerada pela 4ª rodada do SEED, conquistou o segundo lugar na competição. A solução utiliza um banco de dados para comparar as melhores ofertas disponíveis para planos de celular, internet banda larga, TV por assinatura e telefone fixo na região do contratante.

Pedro Israel e Felipe Byrro (Melhor Plano), recebendo o prêmio do criador do Startup Games, Andrew Humphries, do embaixador do Reino Unido no Brasil, Vijay Rangarajan, e do subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Minas Gerais, Leonardo Dias

A medalha de bronze ficou com a MagCare, que propõe um tratamento alternativo para feridas de difícil cicatrização, reduzindo o tempo e o custo do tratamento, acabando com a infecção e o odor em 24 horas.

Dentre os investidores que mais se destacaram na competição, os quatro primeiros foram empreendedores do SEED. Paola Cicarelli da Cuboz, Natan Rebelo da Gamelyst, Nicólas Serrano da DataScope e João Gustavo Claudino da LOAD CONTROL, sucessivamente, foram os melhores investidores desta edição.

Beno Netto e Paola Cicarelli (Cuboz), que ganhou como a melhor investidora do Startup Games Belo Horizonte

 

Pelo segundo ano consecutivo, os mineiros dominaram o evento. Em 2016, a maior delegação era mineira, assim como as quatro primeiras colocadas da disputa: BeerOrCoffeeVirturianLett Pris, respectivamente, todas integrantes da terceira rodada do SEED.

O embaixador do Reino Unido no Brasil, Vijay Rangarajan, declarou que o estado de Minas Gerais segue sendo um importante parceiro do Reino Unido no âmbito da inovação e da tecnologia. “Experimentei o jogo participando como um potencial investidor e fiquei admirado como todos levaram a competição a sério, sinal de que estão muito bem preparados para fazer negócios. Parabéns aos participantes e aos vencedores desta edição, a maior realizada até o momento”.