Governo de Minas apresenta novo formato do Seed

Governo de Minas apresenta novo formato do Seed

Vai ter Seed em 2020 e ele está de cara nova. O anúncio foi feito pelo subsecretário de Promoção de Investimentos e Cadeias Produtivas da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Sede), Juliano Alves, durante o Seed Experience. O evento aconteceu nessa terça-feira (29/10), no Itatiaia Rádio Bar, e contou com a participação de líderes do ecossistema mineiro de startups, empresários, representantes de aceleradoras, instituições de ciência e tecnologia, dentre outros.

Os primeiros meses de 2019 foram para colocar a casa no lugar, entender o cenário do ecossistema de startups no estado e as necessidades do mercado. A proposta é oferecer a melhor experiência e agregar valor aos participantes do Seed 2020, com menor valor para o Estado. Para isto, o Seed passou por reformulação. “Será um programa melhor com menor custo. Vamos fazer com que os participantes tenham a melhor experiência possível”, afirma o coordenador do Seed, Francisco Mello.

A 6ª edição do programa vai iniciar com 50 startups. Na metade do programa, quando completar três meses, haverá 50% de corte. Para o coordenador do Seed, a redução de 25 startups deixa o programa mais competitivo. “Será implantada a meritocracia. Os participantes que realmente suarem a camisa serão valorizados”, explica Francisco.

Também teve reestruturação no local de aceleração. As startups serão separadas por áreas afins e aceleradas em espaços distintos e já existentes. Os espaços parceiros receberão pelo menos quatro startups, um agente de aceleração, além de acolher eventos do Seed. As startups serão divididas por verticais, sendo elas: varejo, indústria, educação saúde/ciência da vida, finanças energia, negócio de impacto social e agropecuária.

“Dividir as startups por áreas e encaixá-las em espaços que têm sinergia com a área delas tornam a aceleração do Seed mais produtiva. Lá, elas terão conexões com empresas específicas que, num espaço do Seed, não teriam. Além do mais, segmentar as startups faz o governo ter uma economia de R$ 1 milhão – valor gasto somente com a locação do espaço”, afirma Geovana Santos, superintendente de Inovação Tecnológica da Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

Pesquisa da Sede aponta cenário e necessidades do ecossistema mineiro

Um dos pilares que fortaleceram as mudanças do Seed é a pesquisa da Sede, Retrato do Ecossistema Mineiro de Inovação e Empreendedorismo, elaborado em parceria com a empresa TroposLab. O estudo serviu para identificar a maturidade e as necessidades do ecossistema de empreendedorismo e inovação em Minas Gerais. Desta forma, o Governo de Minas poderá direcionar ações de desenvolvimento coordenadas pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sede), tais como Seed, Hub Minas e Startup Universitário.

A pesquisa aponta que, por mais que o número de programas para startups e espaços de inovação tenha crescido ano a ano em Minas Gerais, empreendedores ainda têm dificuldades em todas as fases e atividades críticas que vão desde a coragem e apoio para começar um negócio a se apresentarem a investidores anjo e fundos de investimento, por exemplo. Porém, cerca de 73% das startups, em todas as fases, reconheceram que o ecossistema mineiro tem casos de sucesso e inspiração e aproximadamente 67% acreditam que empreendedores transmitem seus aprendizados e experiências.  Para os participantes, é possível criar novos negócios de sucesso em Minas Gerais.

O retrato do ecossistema mineiro de inovação e empreendedorismo foi elaborado com base na resposta de 460 pessoas. Dessas, cerca de 50% foram de startups e empreendedores. Os demais são de representantes de incubadoras/parques tecnológicos, governo, empresas tradicionais, prestadores de serviços, centros de pesquisas, universidades públicas e privadas, aceleradoras, dentre outros, instalados em 10 das 12 regiões do estado.

Para saber mais sobre o estudo, clique aqui.

Seed lança Playbook

Por acreditar que, juntos, vamos mais longe e somos mais fortes, o Seed lançou, durante o Seed Experience, o Playbook. O documento é um guia de como todas as equipes participantes do programa aceleraram startups e como construíram uma comunidade de empreendedores prontos para mudar o mundo. Portanto, use e abuse deste material! Teste suas hipóteses e coloque em prática as ferramentas compartilhadas, clicando aqui. O guia completo pode ser baixado clicando aqui.

Governo de Minas abre processo seletivo para vagas em projetos de ciência, tecnologia e inovação

Governo de Minas abre processo seletivo para vagas em projetos de ciência, tecnologia e inovação

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes) abriu processo seletivo simplificado para seleção de bolsistas que irão desenvolver, em Belo Horizonte, atividades de ciência, tecnologia e inovação nos projetos realizados em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig).

Ao todo, 17 vagas estão abertas nos programas Universidade Aberta e Integrada de Minas Gerais (Uaitec), no Disseminação Criativa de Ciência, Tecnologia, Inovação e Empreendedorismo e no Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed). Os editais estão publicados no site www.desenvolvimento.mg.gov.br

O processo seletivo segue as diretrizes do Projeto Transforma Minas, processos seletivos públicos, transparentes, técnicos e meritocráticos. As etapas dos processos seletivos são inscrição, habilitação (análise da documentação encaminhada), análise de currículo e entrevista por competência e comportamental.

As vagas são para Analista de Disseminação e Gerente de Projeto; Gerente de Tecnologia da Informação e Comunicação; Assessor de Gestão de Projetos; Coordenador de Desenvolvimento de Sistemas; Coordenador de Gestão e Relacionamento; Analista de Redes; Analista de Infraestrutura de Tecnologia da Informação e Comunicação; Analista de Videoconferência; Assistente de bolsas; Líder de aceleração; Líder de Comunidade e Parcerias; Desenvolvedor de Comunidade e Monitor. As remunerações dos bolsistas variam entre R$2.186,86 e R$ 5 mil.

Os projetos têm a possibilidade de formação de cadastro de reserva, sendo este utilizado conforme demanda. A Sedectes tem como objetivo fomentar e implementar políticas públicas que assegurem o desenvolvimento científico, tecnológico e a inovação no estado de Minas Gerais, sendo responsável pelas ações de fomento da pesquisa, a geração e aplicação de conhecimento científico e tecnológico.

UAITEC

A Rede Uaitec é um programa do Governo de Minas, coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes), que visa oferecer, de forma gratuita, qualificação profissional por meio da implantação de uma rede de polos de educação a distância. O programa visa ampliar e democratizar o acesso a conteúdos pedagógicos que sirvam para qualificação e requalificação da mão de obra e para formação profissional dos cidadãos.

Clique aqui para acessar o edital.

SEED

O SEED é um programa de aceleração de  startups para empreendedores do mundo todo que queiram desenvolver seus negócios  em Minas Gerais. O SEED é a única aceleradora com recursos públicos do Brasil e potencializa a interação, as redes e a transferência de conhecimento e habilidades entre empreendedores apoiados e o ecossistema local. 

Clique aqui para acessar o edital.

DISSEMINAÇÃO CRIATIVA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

As vagas são para atuar no Programa de Popularização da Ciência e Tecnologia (Pop Ciência) e na Feira Internacional de Negócios, Inovação e Tecnologia (Finit).

Clique aqui para acessar o edital.

CARTA ABERTA À COMUNIDADE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO E AO ECOSSISTEMA DE EMPREENDEDORISMO E STARTUPS DE MINAS GERAIS

CARTA ABERTA À COMUNIDADE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO E AO ECOSSISTEMA DE EMPREENDEDORISMO E STARTUPS DE MINAS GERAIS

O estado de Minas Gerais representa importante papel na economia do Brasil, em especial nas áreas de ciência, tecnologia, inovação e empreendedorismo, concentrando, por exemplo, a 3ª maior participação no Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Além disso, Minas Gerais é o segundo estado com mais empresas de tecnologia da informação e biotecnologia, reúne o segundo maior ecossistema de startups do Brasil e abriga o San Pedro Valley – uma das maiores comunidades de startups do país.

O estado também conta com mais de 20 incubadoras distribuídas em 16 cidades; é o maior estado em número de universidades públicas (11 federais e 2 estaduais); conta com seis parques tecnológicos; e, além disso, renomadas instituições de tecnologia tem sede em Minas Gerais, como Google, IBM – International Business Machines, GE – General Electric, Embraer, Accenture, Infosys, TOTVS, dentre outras.

Nesse contexto, se destacam os projetos desenvolvidos pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais (Sedectes), em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e com diversas Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT’s), tais como:

  • SEED – Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development;
  • SIMI – Sistema Mineiro de Inovação;
  • Rede UAITEC – Universidade Aberta e Integrada de Minas Gerais;
  • Hub, Startup Universitário e projetos de disseminação da Ciência, Tecnologia e Inovação, que fazem alavancar estes números de Minas Gerais.

Porém, considerando o início de um novo ciclo de gestão, orientado pela ética, transparência, eficiência das ações realizadas e compromisso com a geração de resultados, foram identificadas necessidades de ajustes processuais e técnicos na gestão dos projetos SEED, SIMI, Uaitec, Hub Minas, Startup Universitário e outros projetos de disseminação da Ciência, Tecnologia e Inovação. Nesse contexto, a fase atual é de implementação desses ajustes, especialmente jurídicos, nas práticas, instrumentos e processos que norteiam a execução destas políticas públicas. Essa adequação está sendo realizada em consonância com as diretrizes da Fapemig para gestão dos projetos de fomento à ciência, tecnologia e inovação e tem como uma de suas decorrências a necessidade de realização de processos seletivos para formação dessas equipes.

Dentre as necessidades de ajustes identificadas e, em grande medida, consolidadas no relatório da Força-Tarefa de Diagnóstico das Ações Críticas da Secretaria, instituída a partir da Portaria nº 01, de fevereiro de 2019, destaca-se a adequada gestão dos bolsistas alocados em cada projeto, de forma a promover, dentre outros:

  • aderência entre o trabalho realizado pelo bolsista e o projeto que está financiando a respectiva bolsa;
  • cumprimento dos requisitos de formação e atuação previstos em cada modalidade, principalmente as que envolvem a área de tecnologia da informação;
  • realização do devido processo seletivo, público, transparente e meritocrático, para destinação das bolsas previstas nos projetos;
  • não utilização de instrumento jurídico destinado apenas a concessão de bolsas, sem entrega de produtos efetivos.

Dessa forma, a Sedectes comunica o desligamento dos bolsistas dos projetos executados pela Secretaria, com o objetivo de regularizar as formas de seleção, atuação e resultados gerados por cada um. Apesar disso, serão realizados todos os esforços para manutenção das atividades da Rede UAITEC – Universidade Aberta e Integrada de Minas Gerais, espalhadas em 98 municípios mineiros.

 

Para recomposição das equipes dos projetos, considerando as reais demandas previstas e outras diretrizes de racionalização e austeridade no gasto público, a Sedectes realizará, seguindo as Diretrizes do Projeto Transforma Minas, processos seletivos públicos, transparentes, técnicos e meritocráticos. As vagas e demais informações estarão divulgadas ainda em abril de 2019 no site da Sedectes – www.desenvolvimento.mg.gov.br.

Durante o período dos processos seletivos, a Sedectes dará continuidade à revisão de sua estratégia de desenvolvimento econômico, à execução das ações de atração de investimentos e de desenvolvimento regional e à celebração de parcerias nacionais e internacionais, em conjunto com a academia, instituições de fomento e com o setor privado para promoção do empreendedorismo e da inovação em Minas Gerais.

Vale ressaltar que a regularização das bolsas é fundamental para resguardar a efetividade da gestão dos projetos em andamento na Secretaria, conferindo segurança jurídica para bolsistas e gestores, além de preservar a adequação de sua execução e a transparência.

Esclarece-se que a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior reconhece a importância de seus projetos e não vai acabar com o SEED, SIMI, Uaitec, Hub, Startup Universitário e outros projetos de disseminação da Ciência, Tecnologia e Inovação, que tanto impactam a economia, a comunidade de ciência, tecnologia e inovação e o ecossistema de empreendedorismo e startups de Minas Gerais.

É um processo de reestruturação, por isso contamos com a compreensão de todos e com o apoio na divulgação destas vagas.

Demoday encerra a quinta rodada do SEED

Demoday encerra a quinta rodada do SEED

A quinta rodada de aceleração do SEED chegou ao final. E, para fechar com chave de ouro, aconteceu na última quarta-feira, 30/01, o Demoday. Recebemos mais de 450 pessoas, entre empreendedores, autoridades, investidores, membros do ecossistema de tecnologia e inovação e interessados no Auditório JK, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

Durante o evento foram apresentados os resultados da 5ª rodada de aceleração do SEED, que aconteceu entre julho de 2018 e janeiro de 2019. 34 startups e 88 empreendedores concluíram a rodada e receberam seus certificados durante o Demoday, “foi um momento de encontro do ecossistema de empreendedorismo e inovação de MG, em que pudemos ver a evolução das startups e reconhecer os atores que contribuíram conosco”, diz André Paes, da Boavinda. Também foi uma oportunidade de reconhecer os parceiros que ajudaram os empreendedores da rodada com mentorias, workshops, sendo jurados de bancas e recebendo as startups em suas empresas.

As startups destaque da rodada, ou seja, aquelas que tiveram o melhor desempenho, foram a Metha Energia, a Niduu, o Bagy, a VG Resíduos, e a SporTI que fizeram seus pitches (a famosa apresentação do negócio) para o público.

A grande novidade deste ano foi o lançamento do documentário da 5ª rodada (que pode ser assistido aqui). O material conta a jornada dos empreendedores nos seis meses de programa, os desafios e habilidades desenvolvidas. Foi, também, anunciado o lançamento do Playbook SEED, um guia prático que compartilha a forma como o programa acelera startups e fomenta ecossistemas e estará disponível em breve.

A 5ª rodada do Seed recebeu, ao todo, 1.073 inscrições. As 40 startups selecionadas são compostas por empreendedores dos mais diversos estados brasileiros, como Maranhão, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro. Após 24 semanas, 35 startups e 88 empreendedores encerram o ciclo de aceleração e comemoram os resultados.

“Seis meses depois, mais do que melhorar a minha startup, passar pelo SEED me ajudou a descobrir quem sou e explorar todo o meu potencial. Foi um divisor de águas para mim e para a SporTI”, conta Sandrelise Chaves, COO SporTI.

O programa conta com uma equipe de agentes de aceleração formada pelo próprio Seed, que acompanha os empreendedores semanalmente e os ajuda no desenvolvimento do negócio. Oferece diversas atividades como bancas de avaliação, workshops, mentorias com profissionais experientes, visitas a startups de sucesso, palestras e eventos.

“A quinta rodada foi a consolidação da metodologia de aceleração que o programa foi desenvolvendo ao longo do tempo. Fizemos um processo visando profundidade técnica, engajamento e conexão com o ecossistema. Termino a rodada muito satisfeito com o resultado e certo da evolução contínua do Seed”, diz Daniel Oliveira, coordenador do programa.

Os empreendedores realizam, ao longo da rodada, atividades de difusão da cultura empreendedora por toda Minas Gerais, contribuindo para fomentar o empreendedorismo e a inovação pelo estado. Até agora, os empreendedores da 5ª rodada se envolveram em 770 atividades distribuídas em 1.784 horas. Mais de 20 mil pessoas foram impactadas.

“A difusão foi muito bacana para nós, porque além de ajudar outras pessoas, o que por si só já é um ganho, também possibilitou contatos importantes com parceiros estratégicos, como clientes e fornecedores”, diz Victor Soares, da Metha Energia.

Principais números da 5ª rodada:

  • 722 checkpoints (encontros semanais entre agentes de aceleração e startups);
  • 96 mentorias;
  • 1.020 horas de mentorias personalizadas, atividades e conexões para as startups;
  • 13 empresas recebendo participantes do SEED no Day Out;
  • 11 workshops;
  • 45 mentores na base;
  • 50 jurados de bancas;
  • R$ 5 milhões de faturamento das startups (até dezembro de 2018);
  • 878 atividades de difusão com 2.090 horas dedicadas;
  • 20.251 pessoas impactadas;
  • 18 eventos internos;
  • 11 eventos do ecossistema no SEED;
  • 1.175 pessoas nos eventos da rodada (número total de agosto até dezembro de internos e externos);
  • 19 visitas agendadas sendo 29h dedicadas e 274 pessoas impactadas;
  • 1.776 visitantes recebidos.

#BeSEED

SEED 5ª rodada – a jornada

SEED 5ª rodada – a jornada

O SEED é uma plataforma de fomento ao ecossistema de empreendedorismo e inovação que tem como principal iniciativa seu programa de aceleração. Mas, o que significa ser um programa de aceleração? O que acontece com as startups no período em que passam pelo SEED? Pra quê serve? O que significa?

Para responder a esta pergunta, decidimos fazer um documentário. Um documentário é uma forma de contar uma história. De mostrar ao mundo, com imagens, textos e sons, o que aconteceu em um espaço de tempo. É uma forma de deixar legado. E este é o nosso legado. De todos que estiveram presentes e fizeram a 5ª rodada do SEED acontecer.

Um agradecimento especial para o agente de aceleração Thiago Amaral, que ajudou demais neste projeto. Ele chegou no meio do caminho, comprou a ideia e deu vida ao que produzimos com tanto empenho, dedicação e carinho.

Vem conferir como foram estes seis meses por aqui. Aperte o play e #BeSEED.

#DiárioDeBordo: SEED no CASE 2018

#DiárioDeBordo: SEED no CASE 2018

Equipe e empreendedores do SEED estiveram na 5ª edição do CASE, um dos maiores eventos de startup, empreendedorismo e inovação da América Latina, organizado pela ABStartups nos dias 29 e 30 de novembro, em São Paulo.

O time foi em peso prestigiar: Fernanda Lacotix, da comunicação, Isabella Corradi, Thiago Fenelon e Philipe Jorge, da aceleração, e Gabriel Mota, da difusão. “Estar no CASE foi sensacional. Meu primeiro contato com ecossistemas de startups fora de Belo Horizonte abriu minha cabeça para infinitas possibilidades”, conta Lacotix.

“Achei muito legal. A estrutura estava bem bacana, os stands sensacionais, deu pra ter uma interação interessante com os expositores. Coisa legal para ver, instalações divertidas. Inclusive, a da SporTI teve muito destaque, o campeonato de FIFA que promoveram ao vivo chamou muita atenção. Todos os espaços traziam conteúdos e palestras no meio da feira, incrível. A parceria que fizemos com a ABStartups foi ótima, eles são atores importantíssimos para nosso ecossistema. Como equipe executora do evento, fizeram um trabalho excelente”, conta Gabriel Mota.

Além do time SEED, os empreendedores da SporTI, Metha Energia, VG Resíduos, Midhaz e Nearbee aproveitaram ao máximo os conteúdos, conexões e aprendizados proporcionados pelo CASE.

Diego Fraga, da Metha Energia, ficou bem impressionado: “muito conteúdo fera, muita palestra boa, com uma visão diferente do que a gente tem em relação a tempo, vivência e boas dicas. Aprendi muita coisa, especialmente sobre a importância das conexões. Cada vez mais vemos jovens encabeçando esses eventos. O céu é o limite. A gente tá muito perto desse povo bom, das pessoas fodas, que estavam, inclusive, palestrando”.

Seu companheiro de empresa, Victor Soares também gostou, “vi muito conteúdo  legal sobre assuntos que eu tinha conhecimento só pela visão da startup. Outras empresas falando sobre automatização, melhorias de processos, que é o momento em que estamos vivendo. Olhar para nossos processos por outro ponto de vista foi sensacional”.

A Nearbee ganhou, durante o evento, o prêmio do Programa Nacional Conexão Startup Indústria, da ABDI. A SporTI tinha um stand maravilhoso, em que estava rolando um campeonato de FIFA19, que conquistou presenças ilustres como a de Marcos Castro, do canal do YouTube Castro Brothers, e Leo, zagueiro do Cruzeiro. A UFMG foi bicampeã como universidade que incentiva o empreendedorismo e a inovação e Pedro Israel, nosso ex SEEDer da 4ª rodada, foi receber o prêmio.

Claro que a gente não finalizaria sem um trocadilho, certo? No SEED, criamos o UTSEED, baseado no quadro UTC do canal dos Castro Brothers. A dinâmica é a mesma, não pode rir. Nós contamos para e ele entrou no clima com a gente. Olha só.

Consciência negra no programa de aceleração

Consciência negra no programa de aceleração

Dia 20 de novembro comemoramos o Dia da Consciência Negra, dia de resistência e de luta. Para falarmos sobre representatividade dentro do nosso ecossistema e do SEED, demos voz aos nossos empreendedores.

Bruno Souza, da Klopr

“Pra gente que é negro e brasileiro, vemos que não há uma valorização da contribuição da cultura negra na formação da cultura brasileira. Hoje, vale ressaltar, é verdade, a situação mudou muito! Eu não imaginava ver tanta mulher de cabelo crespo orgulhosa de si mesmo, usando um black power foda! Você se aceitar como negro e enxergar que não precisa entrar na forma da L´oreal Paris pra a galera te achar bonito.

Aqui no SEED eu me sinto bem, respeitado e tranquilo. Nunca vi um olhar tentando me medir, sabe? Tipo, quando a pessoa te olha da cabeça aos pés. nunca passei por esse tipo de situação. Já recebi um amigo meu aqui e, aparentemente, ele também teve o mesmo feeling. Só o fato da gente ter uma comissão de equidade de gênero, demonstra que as pessoas levam as diferenças bem a sério. Na minha opinião, é um safe place. Talvez, pelo perfil das pessoas e finalidade porque tá todo mundo reunido aqui. Devemos manter esse tipo de trabalho, da comissão, e não deixar a peteca cair. Afinal, a gente sabe que não é um assunto que está atrelado diretamente a dinheiro e afins, mas influência de uma forma foda! Quem não passa por certos constrangimentos, pode não ver valor por achar que não vai dar um retorno para a empresa.”

Marcos Moreira, Onboard Mobility

“Eu mesmo passei 18 anos da minha vida me reconhecendo como nada, até que entendi e percebi a negritude em mim. É um processo que estou em construção ainda, e que perpassa todo brasileiro de pele negra clara. Eu não sei como o SEED poderia ser um safe place, acho que assim como a luta feminista e LGBT, não podemos nos esquecer de que existe um problema de raça quando nos propomos a debater, como fizemos no InspiraSEED: diversidade para desenvolvimento de startups. Não dá pra falar sobre desigualdade no país sem falar de raça. Se o SEED quiser realmente mudar a realidade e pouca representatividade precisa fazer um trabalho de base. As universidades parecem base, mas não são. Lá negros ainda são minoria, mesmo com cotas. Eu tô falando de levar a difusão pra periferia, para escolas públicas e centros comunitários.”

Suar a camisa e colocar um bom time em campo são caminhos para sua startup crescer

Suar a camisa e colocar um bom time em campo são caminhos para sua startup crescer

Sandrelise não esconde a alegria quando o assunto é a SporTI, startup que está ajudando a alavancar. Formada em Direito, com mestrado pela UFMG, ela conta que tudo começou a partir da inquietação de outro empreendedor nato, Cristian Gomes, hoje CEO da SporTI. Os dois buscavam modelos de negócios inovadores e começaram a desenvolver, em 2014, duas ideias. A primeira era um aplicativo para gestão de condomínio e a outra era um aplicativo para conectar pessoas a profissionais de mercado chamada Melhor 60.

A experiência construída pela tentativa de alavancar esses dois negócios contribuiu muito para que os laços de amizade e respeito se estreitassem entre Sandrelise e Cristian Gomes. Como a vontade de criar algo inovador estava na veia de ambos, eles foram galgando, pouco a pouco, e maturando as ideias com a ajuda de dois estudantes da UFMG – um deles, Diogo Leite é hoje CTO da empresa. O time, então, começou a desenvolver o aplicativo Melhor 60 que, por meio de geolocalização, mostrava os fornecedores de serviços e produtos e conectava a potenciais clientes.

O projeto foi inscrito na Terceira Rodada do Seed – Programa de Aceleração de Startups do Governo de Minas, mas eles não foram selecionados. Com resiliência e vontade crescente de inovar, não desistiram. Em 2016, começaram a olhar com mais atenção o mercado ligado aos torneios de futebol e sua carência na área de gestão.

A mágica começou quando os sócios patrocinaram uma equipe de futebol e puderam conhecer de perto a burocracia e a papelada que envolviam as empresas que organizam torneios de futebol amador. “O escritório da Federação Mineira de Futebol Sete parecia mais com o Fórum Lafayette, com suas pilhas inesgotáveis de papel”, brinca Sandrelise. E foi nesse momento que nascia a ideia de criar a SporTI. Perceberam que a tecnologia poderia melhorar aquela situação e não pensaram duas vezes!

A demanda não era a construção apenas de um site web ou melhoria da comunicação, era algo maior que envolvia toda a gestão dos torneios. O grande volume de papel, falhas na gestão de pagamentos, estrutura e logística não davam jogo. Era preciso mudar aquela realidade.

Nasce uma startup com demanda real para mudar a vida das pessoas

A SporTI é uma plataforma para concentrar as demandas de federações de futebol. Hoje a empresa já realizou mais de 300 competições e sua base conta com mais de 25 mil usuários. Com 10 colaboradores diretos, a SporTI não para de crescer. Foi preciso escutar muito os clientes e ouvir o que eles tinha a dizer. Assim, aprenderam sobre o mercado e isso permitiu um crescimento rápido e contínuo.

Não basta uma boa ideia, é preciso validar

Mas era preciso conferir se a ideia realmente era boa e foi na Copa Alterosa de Futebol, em agosto de 2016, que o pontapé inicial foi dado. O resultado não poderia ser outro, bola na rede com um gol de placa! A aceitação e o retorno dos usuários mostrou que o time da SporTI estava afinado. Além de melhorar a gestão do torneio, era possível ampliar o faturamento e evitar trabalhos repetitivos.

Depois do sucesso da gestão na Copa Alterosa, a CBF 7 também aderiu à plataforma. A partir daí, foi só comemorar o sucesso que já começava. Atualmente, a SporTI está presente nacionalmente e com forte atuação no Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Paraná, além de gerir outras modalidades de esporte como vôlei e kart.

O sucesso sempre é uma junção de vários elementos, como persistência, vocação, vontade de crescer e também a ajuda de outras pessoas. A SporTI encontrou no Seed – Programa de Aceleração do Governo de Minas – incentivo não apenas para crescer, mas para crescer de modo ordenado. Além disso, a startup conta com o apoio da FCJ Participações, que contribui para o projeto.

Mas, assim como no esporte, ninguém ganha um torneio sozinho. É preciso de um bom time e muita vontade de superar obstáculos. Para Sandrelise, precisamos suar a camisa para a startup crescer. “Sabemos que todo início é difícil e requer muito empenho.”

Dicas preciosas para colocar seu time em campo

O primeiro ponto fundamental é a observação. “Temos diversos problemas ao nosso redor, como questões sociais e econômicas. Precisamos olhar para eles e buscar soluções possíveis”, afirma Sandrelise. Ela ressalta ainda que esse olhar precisa ser empático, ou seja, devemos nos colocar no lugar do outro. A segunda dica da especialista é sobre a construção de um time. “É preciso buscar pessoas que vibram na mesma sintonia que a nossa – a equipe faz toda a diferença”, destaca.

Sandrelise tem um dom raro de perceber o negócio para além do espaço circunscrito. Ela sabe que a jornada que está construindo reverbera para um espaço muito maior. São milhares de pessoas que dependem do esporte para cuidar de suas famílias e esforços inócuos e processos burocráticos emperram o país, nos colocando sempre em uma situação aquém da nossa capacidade. “Quando a gente olha e observa que fazemos parte de um todo muito maior, isso nos une ainda mais aqui na SporTI”, finaliza.

Conheça o mundo das vendas consultivas para vender mais e melhor

Conheça o mundo das vendas consultivas para vender mais e melhor

Por: Maria Clara Dias

Via: Vender Mais e Melhor

_

Uma história que acontece em vários filmes americanos e que se pararmos pra pensar bem, mostra qual era a realidade do universo das vendas no passado.

O vendedor de uma empresa de tecnologia, que não é a mais forte do mercado mas que é reconhecida como boa, está tentando vender um produto para a diretoria de uma outra empresa. Para conquistar o diretor que toma a decisão, o vendedor leva ele para um jantar de negócios, dá ingressos para um show super concorrido que vai acontecer na cidade, leva para jogar golfe (falei que era bem filme americano) e conhece toda a família dele. Pergunta como os filhos estão indo no colégio e como sua esposa está de saúde.

Isso vendia. Essa conexão pessoal vendia. O diretor entendia que o ERP era importante para a empresa dele, mas ele decidia por um ou pelo outro pelo relacionamento. E o vendedor mover mundos e fundos para tal, ajudava na credibilidade.

Mas isso é caro. Isso é demorado. Essa venda nem sempre será saudável e pode nem ter um LTV (lifetime value) interessante. A partir do momento que o produto vendido não estivesse mostrando resultados concretos a venda seria desfeita.

Hoje, as empresas querem ter a certeza que estão investindo em algo que dê retorno. As pessoas querem saber que estão comprando um produto na medida certa para sanar sua necessidade. Nem mais, nem menos. Não querem um vendedor que se importe com a família, querem um vendedor que se importe com o negócio, com a dor, com a dificuldade (isso é diferente de Rapport).

 

Os Desafiadores

O livro “A Venda Desafiadora” (The Challenger Sale), escrito por Matthew Dixon é um livro must-read por todo mundo que está no universo das vendas. Ele traz um conceito interessante: existem cinco perfis de vendedor: o construtor de relacionamentos (perfil que acabei de mostrar acima), o hard worker, o lobo solitário, o solucionador de problemas e os desafiadores.

Esses últimos são os que mais me interessam: os desafiadores. Os desafiadores Usam toda a sua compreensão do negócio do cliente para direcionar seu discurso e controlar a conversa. Falam sem medo sobre pontos de vistas controversos à visão do cliente.

Em um mundo em que o volume de informação e a forma de consumir essas informações mudou, e que mudou também a forma de comprar, é necessário que a forma de vender também seja diferente.

Tem outros dois perfi que gosto nesse novo mundo: o do professor e do médico.

 

Os professores

Pensando na analogia com o professor, ele ensina o que fazer, como fazer, por que fazer. Mostra para o cliente o que é o melhor e como usufruir dos melhores benefícios.

 

Os médicos

Já o médico é aquele profissional que vamos para entender a fundo do que estamos doentes e como podemos ficar curados. Se você tem uma dor de cabeça, pode ir à farmácia e pedir ao farmacêutico uma aspirina. Mas se a dor de cabeça persistir, o médico fará um exame completo, perguntando quando a dor começou, quais são os outros sintomas, qual o histórico familiar etc. Só depois disso, pode entender qual é o problema e prescrever o remédio que irá curar.

As empresas estão doentes e temos que ser o médico que vai ajudar a curá-las. Seu produto ou serviço tem que ser a prescrição do melhor medicamento para tal.

Mas só podemos ser o remédio para a cura se de fato entendermos qual a doença. Qual o tamanho do estrago. Como o médico sabe se receita 20 ou 50mL de antibiótico? Como ele receita tomar por 5 ou 10 dias?

Da mesma forma você tem que entender o tamanho da dor da empresa.

Por isso, e juntando os três perfis de vendedor (desafiador, professor e médico) você deve ter uma venda consultiva.

 

A venda consultiva

A venda consultiva faz com que o foco não seja em você e sim no seu cliente. O foco deixa de ser no produto que você oferece e passa a ser na solução que você propõe. Muitas vezes o seu produto ou serviço sozinhos, não vão curar a empresa completamente. Você deve entender que ele faz parte de uma solução maior e que deve ser falada com o cliente.

Afinal, ele quer saber qual o remédio vai curar completamente. E você deve setar as expectativas de forma correta.

 

Como criar urgência com a venda consultiva

A venda consultiva ajuda inclusive a criar e manter urgência na hora da venda. Afinal, qual pai que tem o filho doente, ao saber do diagnóstico, espera um mês para começar a dar o remédio correto para seu filho?

Se o cliente entende que você conhece a fundo o negócio dele e que sabe a medida certa para resolvê-los, por que ele não deveria confiar em você? Por isso a segmentação e especialização é tão importante. Você deve ser o especialista no negócio do seu cliente e não só especialista no produto que você vende.

Para ser consultivo e fazer um bom processo consultivo de vendas, existem algumas formas que podemos ressaltar. Uma delas é  saber fazer as perguntas certas para conseguir as informações que precisa. Outra, é usar a metodologia GPCT em suas reuniões.